Retrocesso brasileiro na questão ambiental

Posted by & filed under .

Após longas tentativas de acordo quanto ao texto e infindáveis adiamentos da votação do novo Código Florestal, a bancada ruralista que o aprovou já pode comemorar. Infelizmente, não podemos estender essa “pseudo-vitória” a toda a população brasileira e, muito menos, para o meio ambiente, que, por sinal, serão os que sofrerão as consequências.

O Brasil possui a maior biodiversidade do mundo. Dispunha de uma legislação ambiental que servia de referência a outros países. Encontrava-se entre os mais dispostos internacionalmente a diminuir os impactos causados ao meio ambiente. Obteve nos últimos tempos grandes avanços na conscientização dos cidadãos quanto à importância da preservação ambiental. Entretanto, vimos todas essas conquistas serem derrubadas por meio do Código Florestal, recém-aprovado. Exatamente porque ele aprova uma maior destruição das áreas verdes, assim, opõe-se a preservação das reservas legais e isenta aos que já estavam em irregularidades a pagar a multa correspondente aos danos causados.

Ocorre que o “Código dos ruralistas”, diz-se em prol da modernização das leis ambientais respondendo às necessidades atuais do país e como, também, ao desenvolvimento econômico, com ênfase na melhoria das condições dos pequenos produtores. Contudo, vimos um jogo de interesses dos grandes proprietários rurais e de um Código que coloca crescimento econômico contrário ao desenvolvimento sustentável, e insiste que está modernizando. Há a consideração apenas dos interesses imediatos sem levar em conta a capacidade do meio ambiente em recuperar-se e o direito das gerações futuras.

Esperamos, contudo, pelo bom senso da Presidente Dilma Rousseff e do senado para alterar os principais textos do novo Código Florestal, que são mais impactantes para a preservação do meio ambiente.

Comments are closed.